Stroopwafel: do que é feito e onde comprar o melhor doce da Holanda

Este post é parte da série de comidas locais que você pode experimentar e levar na mala de volta para casa. Experimente e leve presentinhos econômicos (mas especiais) para o Brasil.

A Holanda tem pouco de culinária local, de acordo com a maioria dos holandeses que me apresentaram o básico da cultura do país quando cheguei aqui. O equivalente do nosso arroz com feijão é purê de batatas com vegetais e carne. Mas tem um doce tradicional que me deixou com uma ótima impressão do país antes mesmo de chegar aqui: os stroopwafels.

stroopwafel-holanda

Quem me apresentou essa belezinha foi um amigo holandês, quando ambos morávamos em Buenos Aires. Minha paixão foi tanta que, após comer 3 deles na sequencia, percebi que era melhor racionar para fazer a alegria durar mais.

O sabor e onde comprar

Stroopwafels são bolachões bem finos, recheados com caramelo. Tem um toque de canela também e um certo estilo para ser consumido: coloque-o em cima de uma xícara de chá quente e deixe por alguns segundos até o caramelo do meio derreter.

Em pacotes com 10 ou 12, existem muitas marcas e qualidades diferentes. A melhor opção entre preço e qualidade é o do Albert Heijn, a maior rede de supermercados do país, onde custa cerca de 1€ o pacote. Quando voltei para o Brasil pela primeira vez após me mudar para cá, levei 10 pacotes na mala! A embalagem é bacana, mais barato que souvenir, o sabor é ótimo e muito parte da cultura Dutch.

E no Brasil?

Atualmente é possível encontrar stroopwafels também em diversos lugares no Brasil. Já encontrei na rede de supermercados Pão de Açúcar e também em algumas padarias chiques por São Paulo e no interior do estado. Ainda tem Holambra, estância turística com forte relação com a Holanda, onde também existem empresas que vendem e distribuem o produto.

Stroopwafels
Comprado em: Amsterdam
Preço: a partir de 1,00€

Read More

Leidseplein: parada básica e diversão garantida em Amsterdam

Leidseplein - Praça
Sempre que recebo perguntas sobre “o que visitar na cidade”, a Leidseplein é o primeiro ponto que sugiro para todo visitante. Tem um pouco de tudo, tem sempre algo acontecendo e é fácil de chegar, considerando que nenhum turista está hospedado muito longe do centro.

Localizada no bairro de Grachtengordel, a Leidseplein tem vida diária e noturna. Confira abaixo algumas das atrações presentes na praça. No futuro, a maioria delas ganhará posts completos aqui no brasileiros.amsterdam:

Melkweg

Aberto nos anos 70, a casa de shows/clube recebe festas e shows de diversos estilos, incluindo artistas holandeses e internacionais. Alguns dos nomes recentes que passaram pela casa ou que vem em 2016 são Julian Casablancas, Eagles of Death Metal, Sum 41 e até O Rappa esteve aqui em 2015.

Entre as festas, desde o bombado Encore (hiphop) até a 90’s Now, com tudo o que fez sucesso na época. O Melkweg funciona dia e noite e tem dois salões, então vários eventos podem acontecer na mesma data. Também rolam peças de teatro e festivais de cinema. O site deles é melkweg.nl.

Leidseplein - Melkweg

The Waterhole

Se você procura apenas um pub com cara de balada e não quer gastar muito dinheiro, The Waterhole é um destino interessante. A entrada custa 2€ e você pode deixar todas as suas jaquetas na chapelaria na entrada (se estiver frio, é uma alegria só entrar em um bar e não ter que se preocupar em onde vai deixar sua roupa). Tem sempre promoções de drinks e as cervejas mais comuns (algumas poucas especiais). Todos os dias tem bandas ao vivo, a grande maioria covers, além de algumas mesas de bilhar. Você recebe um carimbo na entrada, então pode sair e voltar no mesmo dia (se resolver ir para outro bar próximo, por exemplo).

Leidseplein - Placas
A Leidseplein fica próxima de diversos outros locais interessantes de Amsterdã como o Vondelpark e a Museumplein (onde ficam as letras gigantes do I amsterdam)

Restaurantes & Comida Rápida

Ao redor da Leidseplein são muitos os restaurantes. Também podem ser irritantes os funcionários na porta de cada um com um menu na mão e te convidando para entrar, assim que não se sinta forçado. Entre as opções estão restaurantes italianos, argentinos, holandeses e “coma a vontade” de costelas de boi. Não tenho nenhum restaurante em especial para indicar, mas são muitas as opções. Durante o dia você também pode dar um pulo na loja da Magnum e criar seu próprio sorvete.

Além disso, em Amsterdam são poucos os lugares que você vai encontrar comida durante a madrugada. Depois do horários dos restaurantes (~23h) você ainda encontra Burger King, Febo (comida na parade!), pizza, McDonalds, wok, hambúrguer e batata frita na praça ou ao redor dela.

Lojas

Ainda que não seja uma área forte de compras da cidade, em volta da Leidseplein você também vai encontrar uma H&M (são muitas por Amsterdam) e a Apple Store, com uma loja imensa de dois andares. 5 minutos fora da praça tem também uma grande loja da Bever, especializada em roupas e acessórios para para neve e acampamento.

Paradiso

Quer mais shows e vida noturna? A primeira vista você pode não perceber que encontrou esta casa de shows, já que por fora se trata de uma antiga igreja. Há um salão principal para até 1500 pessoas e outras sala para até 250 pessoas e shows menores. De fato o local foi igreja até 1965 e aberta como casa de shows em 1968. Realiza shows de diversos gêneros musicais e já recebeu nomes como Adele, The Rolling Stones, Duran Duran, Nirvana, Dave Matthews, Jamiroquai e muitos outros. Em 2016, estão agendados shows como Ben Harper e algumas datas da festa “Kill All Hipsters”.

Leidseplein - Paradiso Frente

Leidseplein - Paradiso Posteres

Coffee Shop

Claro que um dos principais pontos da vida noturna de Amsterdam teria também um coffee shop. Uma das sucursais do Bulldog está na praça. Escutei de amigos que a loja não tem os funcionários mais amáveis, porém tem uma grande vantagem dos outros coffee shops: funciona junto de um bar, então é possível pedir bebidas nas mesas de fora (em geral, nenhum coffee shop pode vender álcool).

Leidseplein - Bulldog

Stadsschouwburg

Este nome complicado acima é o teatro da cidade de Amsterdam. Além de peças em holandês, também oferece apresentações de teatro com dança, que não precisam conhecimento específico em idiomas.

Read More

5 curiosidades para entender a Holanda

Apesar de ser um país pequenino, a Holanda consegue embaralhar muita cabeça quando se fala de nome, idioma e território. As cinco curiosidades abaixo explicam muitas das perguntas mais comuns sobre a Holanda:

Nome do país
A gente chama da Holanda, mas o nome de verdade é “Países Baixos”. Acontece que os dois principais estados do país são a Holanda do Norte (onde fica Amsterdã) e a Holanda do Sul (onde fica Roterdã). Ainda assim, a área total dos dois estados é de menos de 5% do país. Nestes dois estados estão 6 dos 16 milhões de moradores do país.

Acontece o mesmo em espanhol, com os nomes Holanda e Paises Bajos. Também em inglês, com Holland e Netherlands. No fim das contas, a confusão é tão grande que ambos os nomes são aceitos e usados por estrangeiros e holandeses. Os próprios neerlandeses torcem para a seleção de futebol gritando “Hup Holland Hup” ao invés de Nederland.

Rainha da Holanda
Quando vim a Amsterdã pela primeira vez, ainda morava na Argentina. E justo nessa época a Holanda (ou Países Baixos) era assunto constante na mídia em Buenos Aires. O motivo: uma argentina estava para ser coroada rainha. Da Holanda. Koningin Máxima se casou com o príncipe holandês Willem-Alexander Claus George Ferdinand em abril de 2013.

rei-rainha-holanda
Rei Willem-Alexander e rainha Máxima em abril de 2013. Foto: Koos Breukel

Reino da Holanda
A Holanda fica Europa. E a Holanda também é parte do Reino dos Países Baixos (Koningin Máxima), que incluí as ilhas de Aruba, Curaçao e São Martinho, localizadas no Caribe (America Central). As três são oficialmente países independentes, porém parte do mesmo reino e totalizam uma população pouco acima de 300 mil habitantes. Para deixar um pouco mais confuso, estas três ilhas também tem suas moedas próprias: o Florim Arubano e Florim das Antilhas Neerlandesas, ainda que o dólar também seja amplamente aceito.

Na América do Sul também se fala holandês
Este foi uma grande surpresa pra mim e só descobri depois de ficar amigo de um Amsterdammer. O Suriname, faz fronteira com o Brasil (nos estados do Pará e Amapá) e com a Guiana e Guiana Francesa, ao norte da America do Sul. Lá também se fala holandês como idioma oficial e como a Holanda, é um país pequenino, o menor da região.

google-maps-suriname

Pouco antes de que o Suriname se tornasse independente, em 1975 (sim, há 41 anos!), grande parte da população emigrou para a Holanda. Com isso, há uma grande presença surinamesa na cidade. Eu descobri essa presença por conta dos muitos restaurantes surinameses pela cidade e também por dos meus melhores amigos aqui ter mãe surinamesa e pai holandês. Assim, se você quiser descobrir algo incomum para os turistas em Amsterdã, sugiro ir a um restaurante surinamês!

Idioma
Se você já teve contato com muitos estrangeiros, é provável que tenha escutado que nossa língua é o “brasileiro”, ou mesmo que falamos espanhol. E nos Países Baixos se fala… Bem, também é complicado. Em Português, você pode dizer que a lingua da Holanda é o holandês. Ou neerlandês. Já em Inglês, se diz Dutch, o que já vi ser confundido com Duits, a linga da Alemanha (em alemão).

E se você ainda não se perdeu, tem mais: na província de Frísia, no norte do país, ainda se fala Frísio, por cerca 2,50% da população. Ainda tem mais da metade da Bélgica, que fala uma variação de holandês, chamada de Flamengo (Vlaams). Tem outro nome, mas é quase igual, com sotaque diferente.

Água que virou terra
O nome Países Baixos vai de encontro com o fato de que grande parte do país era água. Sofrendo muito com enchentes que causaram desastres e mortes ao longo da história, o país tem diques e controla a água que o cerca. Essa era a função dos moinhos de vento: levar água de um lugar para outro.

Hoje em dia, uma porção de 7000 m², cerca de 16% do país foi criado após remoção das água que ocupava as áreas. A estação central de Amsterdã também foi feita onde antes era água. Por volta de 60% da população vive abaixo do nível do mar!

 

Read More